Psicanálise e Suicídio

Foto de capa: O pintor de Girassóis, de Paul Gauguin. Disponível em: Wikipédia. Texto por Isadora Urbano 1. Suicídio. Poucos assuntos exigem tanta delicadeza para se escrever quanto este. Talvez, em parte, porque o assunto permanece com certo estatuto de tabu, mas em parte, também, porque nos coloca em contato com o sofrimento humano numContinuar lendo “Psicanálise e Suicídio”

Lituraterras n. 1 – Cartas a um jovem terapeuta, de Contardo Calligaris

Foto de capa fornecida pela autora da publicação [editada]. Original disponível em: @isa.adora.psicanálise Texto por Isadora Urbano Nas suas Cartas a um jovem terapeuta (2008), Contardo Calligaris escreve sobre a psicanálise com um tom descontraído e pouco acadêmico, que serve tão bem aos não iniciados quanto aos que já pegaram o bonde (sempre andando) daContinuar lendo “Lituraterras n. 1 – Cartas a um jovem terapeuta, de Contardo Calligaris”

É possível ensinar poesia? Indagações sobre poesia, ensino e filosofia

Apresentação por Gabriel Reis MartinsEnsaio por Isadora Urbano Desaprender oito horas por dia ensina os princípios Manoel de Barros, O livro das ignorãças. Se uma das prerrogativas da poesia é promover a liberdade – conferindo “um novo sentido às palavras da tribo”, já escrevera Stéphane Mallarmé –, não seria contraditório submeter o jovem leitor àsContinuar lendo “É possível ensinar poesia? Indagações sobre poesia, ensino e filosofia”

Por onde começar a ler Freud

Texto por Isadora Urbano A dúvida sobre por onde começar a ler Freud é compartilhada por muitas pessoas e pode, realmente, gerar algum embaraço, especialmente porque sua obra é bastante extensa e volumosa, com dezenas de textos que vão construindo progressivamente a teoria psicanalítica freudiana. Contudo, isso não significa – ou não necessariamente significa –Continuar lendo “Por onde começar a ler Freud”

30 contos incríveis de H. G. Wells para adicionar hoje à sua lista de leituras

H. G. Wells (Londres, 1866-1946) é até hoje um dos mais prodigiosos e conhecidos autores de ficção científica, tendo escrito clássicos como A guerra dos mundos, A ilha do doutor Moreau, O homem invisível e A máquina do tempo. Mas o que muita gente não sabe é que, entre as centenas de histórias mais ouContinuar lendo “30 contos incríveis de H. G. Wells para adicionar hoje à sua lista de leituras”

Oito romances fundamentais para ficar por dentro dos clássicos da ficção científica

Oiê! Na lista de hoje, elencamos oito romances (e uma surpresa!) para quem quer começar a se aventurar pelos mares da ficção científica. A lista inclui desde textos muito antigos e canonizados a outros menos conhecidos, mas que têm conquistado seu lugar entre os destaques do gênero! Além desses, muitos outros seriam dignos de entrarContinuar lendo “Oito romances fundamentais para ficar por dentro dos clássicos da ficção científica”

Sula Peace, uma megera? Questões de amizade e sexo em “Sula”, de Toni Morrison

Se você ainda não conhece, Sula (1973) é um romance de Toni Morrison, recentemente trazido para o público brasileiro pela TAG Curadoria – por indicação da grande Conceição Evaristo!O romance acompanha a fundação do Fundão, uma comunidade negra situada em Medallion (cidade ficcional em Ohio, nos Estados Unidos), marcada pela camaradagem tanto quanto pela violência,Continuar lendo “Sula Peace, uma megera? Questões de amizade e sexo em “Sula”, de Toni Morrison”

4 poemas inéditos de “Lua Vespertina”, de Marina Naves

Lua Vespertina, da poeta mineira Marina Naves, é, antes de tudo, a história da vida de uma pessoa qualquer contada por meio da poesia. Seu protagonista se chama Azevedo, e seus caminhos são contados pelas páginas do livro desde a tenra infância – até o momento de sua morte. Eventos detalhados não são abordados, masContinuar lendo “4 poemas inéditos de “Lua Vespertina”, de Marina Naves”

“Eu não sei. Acho que viajo muito.” – Entrevista e poemas de Marina Naves

Conversamos hoje com a poeta Marina Naves, que está em vias de lançar seu primeiro livro de poemas, Voyager (editora Escaleras). Marina (21), é poeta, tradutora e pesquisadora. Seu caminho na poesia começou ainda na infância, quando passou a se interessar pelos poemas do seu avô, João Naves de Melo. Cecília Meireles também foi deContinuar lendo ““Eu não sei. Acho que viajo muito.” – Entrevista e poemas de Marina Naves”

Um Édipo em Istambul: apresentando “A mulher ruiva”, de Orhan Pamuk

Em janeiro deste ano, voltei a assinar a TAG livros, depois de mais de três anos desde que havia encerrado minha assinatura, especialmente por não conseguir conciliar o ritmo das leituras que o clube propunha com as leituras da faculdade de Letras e com as que, me chamando mais atenção, vez por outra eu decidiaContinuar lendo “Um Édipo em Istambul: apresentando “A mulher ruiva”, de Orhan Pamuk”