“Lettipark”, um conto de Judith Hermann

Foto de capa: Imagem da autora. Disponível em: Wikipédia. Tradução de Guilherme Oliveira Mello Como Elena era linda! Uma garota linda e muito magra, de olhos negros e cabelos castanho-escuros, tesa como uma corda de arco e com um rubor na face, como se o tempo todo beliscasse as próprias bochechas. Elena era vigorosa, corajosa,Continuar lendo ““Lettipark”, um conto de Judith Hermann”

Três poemas de Rui Knopfli

Foto tirada por Jorge Neves, em 1981, na casa de Eugénio Lisboa, em Londres. Rui Knopfli está à direita. Texto por Gabriel Reis Martins Acho que já deu para perceber que eu adoro aqueles autores que não são tão frequentes no mercado editorial brasileiro e que acabam sendo pérolas perdidas no vasto oceano das livrariasContinuar lendo “Três poemas de Rui Knopfli”

“Primeiro de Maio”, um conto de Mário de Andrade

Foto de capa: Modern Times (1936), de Charles Chaplin [modificada] Apresentação de Gabriel Reis Martins Todo ano, neste dia de 01/05, feriado para uns, dia comum para outros, eu volto ao conto de Mário de Andrade, publicado entre seus Contos Novos. É um texto que me faz rir bastante, não só por sua linguagem eContinuar lendo ““Primeiro de Maio”, um conto de Mário de Andrade”

“A genealogia de Édipo”, um resumo da tragédia grega, desde Tântalo até Ismênia

Foto de capa: Saturno devorando a su hijo, de Francisco Goya. Disponível em: Wikipedia. Apresentação Por Gabriel Reis Martins O nome de Édipo é, sem dúvida alguma, um dos mais consagrados da literatura, e sua fama ficou ainda maior quando Sigmund Freud, pai da psicanálise, se valeu do personagem grego para dar sentido a umaContinuar lendo ““A genealogia de Édipo”, um resumo da tragédia grega, desde Tântalo até Ismênia”

do 306/2 ao 1929

de Gabriel Reis Martins para Rafael Fava Belúzio — Timinho difícil esse — o papai dizia, eu sem entender. Mas o diminutivo não era tanto por conta do tamanho do time – jogadores eram onze, do mesmo jeito, de um lado e de outro; ele dizia aquilo assim, porque aquele time tinha saído de lugarContinuar lendo “do 306/2 ao 1929”

Anos de Chumbo e Outros Contos (contemporâneos), de Chico Buarque de Hollanda

Foto de capa: Poliana Tankilevitch [modificada]. Disponível em: Pexels. Texto por Gabriel Reis Martins Chico Buarque de Hollanda é o típico caso de artista que não precisa fazer qualquer esforço para estar entre os mais vendidos e lidos na semana de sua publicação, seja com um novo disco ou mesmo com sua prosa. Recentemente, vimos oContinuar lendo “Anos de Chumbo e Outros Contos (contemporâneos), de Chico Buarque de Hollanda”

Noites no Circo, de Angela Carter: a contradição como fio-condutor

Resenha por Gabriel Reis Martins Apesar de ser uma escritora já consagrada no cenário literário de língua inglesa, Angela Carter não é tão conhecida no Brasil. Eu mesmo só tomei conhecimento de sua obra, porque minha companheira desenvolve atualmente uma pesquisa sobre o livro mais aclamado de Carter: A câmara sangrenta (Bloody Chamber, 1979), queContinuar lendo “Noites no Circo, de Angela Carter: a contradição como fio-condutor”

Carta a meus filhos sobre os fuzilamentos de Goya, de Jorge de Sena

Carta a meus filhos sobre os fuzilamentos de Goya – de Jorge de Sena Não sei, meus filhos, que mundo será o vosso. É possível, tudo é possível, que ele seja aquele que eu desejo para vós. Um simples mundo, onde tudo tenha apenas a dificuldade que advém de nada haver que não seja simplesContinuar lendo “Carta a meus filhos sobre os fuzilamentos de Goya, de Jorge de Sena”

Quatro dicas de publicação para autores independentes

Texto por Gabriel Reis Martins Em um mundo como o nosso, de mercado digital e baseado em cliques, assistimos a um volume gigantesco e diário de publicações literárias e não-literárias, que inclusive não para de crescer. Isso está relacionado, entre outras coisas, ao fato de que, nos últimos anos, publicar um livro de maneira individualContinuar lendo “Quatro dicas de publicação para autores independentes”

O som do rugido da onça, de Micheliny Verunschk: entre a literatura e o manifesto

Esboço feito por Martius em suas peregrinações pelo território brasileiro. A imagem, mais tarde, integrou seu diário de viagem. Resenha por Gabriel Reis Martins Desde o momento em que li o título, vi a capa e li a sinopse de O som do rugido da onça (2021), livro de Micheliny Verunschk, tive vontade de lê-lo.Continuar lendo “O som do rugido da onça, de Micheliny Verunschk: entre a literatura e o manifesto”